Carregando...
Texto alternativo
Quando
20 de abril de 2018, 16h - 21h30
Onde
Praça 22 de novembro (Av. Barão de Mauá, s/n - Centro)
Foto: Helton Perez Vaca Azul

Tradicional Pocket Show

Circo Le Chapeau (MS)
O público é levado para o picadeiro e aos bastidores de um circo tradicional, para presenciar a correria antes dos espetáculos, as trocas de figurinos, a preparação para a entrada em cena e a até mesmo a versatilidade dos artistas que fazem seu número e também vendem pipoca. Mesmo sem lona, o grupo sul-mato-grossense promove uma experiência parecida com a dos circos que viajavam pelo interior do Brasil.
Foto: Helton Perez Vaca Azul

Iniciação ao Malabarismo

Circo Le Chapeau (MS)
O grupo promove uma oficina de malabarismo, em que não há limite de idade ou habilidade para experimentar. Com as atividades, os participantes praticam exercícios de lateralidade e concentração, com algumas técnicas para desenvolver a manipulação, lançamento e recepção de objetos.
Foto: Adriano Milan

Fandango a Céu Aberto

Cia. Oito Nova Dança (SP)
O espetáculo oferece um olhar contemporâneo para uma manifestação cultural tradicional do Brasil: o fandango caiçara, do litoral sul de São Paulo e litoral norte do Paraná. Para preservar essa tradição, a companhia reúne aspectos essenciais do fandango original, como o bailado, o batido e a noção de mutirão e celebração coletiva, convidando o público para dançar em um grande baile aberto.
Foto: Lui Azevedo

Fanfarra Black Clube

Fanfarra Black Clube (RJ)
O coletivo carioca combina a animação dos blocos de rua com o balanço do funk, da black music e da música das discotecas. O repertório vai de clássicos nacionais e internacionais dos anos 1970, como Bee Gees, The Jackson 5 e Tim Maia, até hits mais atuais, como músicas de Pharrell e Daft Punk, além de músicas autorais, sempre com uma pegada dançante e carnavalesca.
Foto: Diogo Zacarias

DJ Barata

DJ Barata (SP)
O baiano Lucas Barata é DJ, produtor cultural e pesquisador musical desde 2001. Seu repertório passeia pela música popular brasileira, com foco na produção dos anos 1960 e 70: o samba, a tropicália, a bossa nova, o latin jazz, o soul, o funk e o afrobeat. Mais do que uma seleção de músicas, suas discotecagens propõem uma paisagem sonora para contextos urbanos e brasileiros.
Foto: divulgação

Plante Poema

Projeto Matilha e Roça da Rua (SP)
Sentado em frente a um dispositivo de palavras-chaves, cada participante é convidado a fazer uma troca: escolher uma palavra para deixar e outra para levar, seja a partir dos termos à disposição ou de livre escolha, a partir das suas sensações no momento. Ao final, cada participante ganha uma muda, um ramo ou semente e uma indicação poética.
Programação inspirada pelos traveling shows, antigos carros itinerantes que iam de cidade em cidade apresentando atrações artísticas e curiosidades. Projeto cenográfico: William Zarella.
Foto: divulgação

Tricô de Braço e Tear Alternativo

Cris Bertolucci, Tainá Denardi e Sarah Lopes (SP)
As técnicas de tecimento livre são aquelas em que não é preciso nenhuma ferramenta para o entrelaçamento dos fios e a criação de tecidos. A confecção é feita com as mãos e dedos, construíndo inúmeros tipos de nós. Na oficina é explorado o tricô de braço para a criação da trama básica do tricô. Com a técnica é possível obter tecidos utilizados tanto na criação de vestuário como no design de interiores.
Foto: divulgação

Palavra + Imagem

Coletivo Rodas de Leitura (SP)
Com um acervo variado de livros ilustrados, mediadores convidam o público para leituras individuais e/ou compartilhadas.
Foto Divulgação

Curtas de Animação da Pixar

Exibição de uma seleção dos curtas-metragens de animação criados pelo estúdio Pixar, responsável por grandes sucessos do cinema e atualmente parte da Walt Disney Pictures.

Veja o que já rolou na cidade

A farmácia de Deus