Quando

5 DE MAIO 2017

Endereço

Parque Municipal Engenheiro Salvador Arena

Avenida Caminho do Mar, 2.980, Rudge Ramos

Splashcletas

Guilherme Teixeira (SP)

Bicicletas adaptadas funcionam como máquinas de pintura. Um participante pedala para acionar a rotação do papel que fica em frente à splashcleta e outro escolhe as cores e a forma de aplicar a tinta. O resultado são pinturas abstratas que variam conforme as escolhas de tinta e a intensidade das pedaladas.

Cine Olho (SP)

Como se espiasse pelo buraco da fechadura, o público pode desfrutar dos primórdios do cinema em minissessões temáticas, que mostram os primeiros beijos, os primeiros monstros e os primeiros efeitos especiais da história da sétima arte. Seleção de obras cinematográficas dos anos 1900 a 1940 são a essência da programação.

Miniteatros de Sombras

Grupo Girino (MG)

Como fotógrafos lambe-lambe, a trupe mineira leva suas quatro peças, pequenas em tamanho e duração, em caixas. O espectador assiste à apresentação espiando em um olho mágico e com auxílio de fones de ouvido. As narrativas oníricas realizadas com a técnica do teatro de sombras duram 2 minutos.

Pé da Letra

Coletivo Muda Práticas (SP)

Marcadores de livros frutificam nos galhos de uma curiosa árvore. No pé da letra, frases poéticas impressas nos marcadores convidam o público a conhecer a obra de autores como Cecilia Meireles, Mel Duarte e Manoel de Barros, entre muitos outros. Seus livros estão disponíveis para consulta.

Ordinarius (RJ)

A voz é o instrumento principal deste sexteto. Executado a cappella ou enriquecido com violão, cavaquinho ou percussões variadas, o eclético repertório do grupo visita gêneros brasileiros e internacionais, divertindo o público com as surpresas proporcionadas pela música vocal.

DJ Pardí (SP)

O DJ já tocou nas principais casas e eventos de São Paulo, como Cine Joia e Virada Cultural. É sócio do Grupo Pardieiro, que organiza as festas Baila Baila e Pardieiro. Suas influências são a música popular brasileira e latino-americana.

Encontro Atlântico

Ballet Afro Koteban (SP)

A produção coletiva do grupo, formado por artistas da Guiné e da diáspora africana no Brasil, busca pensar a atualidade de nossa ancestralidade africana por meio do oceano Atlântico. Cinco músicos tocam djembés e doundouns, diferentes tipos de tambores, e três dançarinas executam a coreografia.

Caixas Mágicas

Mario Kamia (SP)

A caixa, elemento-chave para um ilusionista, é o centro deste espetáculo, que explora desde equipamentos feitos com caixas de papelão até as grandes caixas de ilusionismo.