Quando a praça é palco e camarim

Tudo aconteceu de repente. Pouco antes de embarcarem do Rio Grande do Norte para a intensa temporada do espetáculo A Casatória C’a Defunta, por 12 cidades do interior e litoral de São Paulo, a atriz que interpretava Maria Flor, protagonista da peça, precisou fazer uma cirurgia e não poderia seguir com o grupo para mais esta aventura.

Assim como em uma apresentação do teatro na rua, naturalmente cheia de imprevistos, eles precisaram ser rápidos. Numa dança das cadeiras (ou dos banquinhos), Ligia Kiss assumiu o papel e deixou sua personagem para Bárbara Paiva. Vagou o lugar na contra regragem, assumida por George Marques que, mesmo já fazendo parte da companhia, ainda não tinha trabalhado diretamente neste espetáculo.

Pois é, quem vê o entrosado grupo potiguar em cena não pode todo imaginar o contorcionismo necessário para fazer o momento acontecer. E é assim mesmo: o espetáculo não pode parar.

Ao cair da tarde, em Pindamonhangaba, a praça também se transformou em camarim a céu aberto para que a trupe de preparasse para mais uma apresentação. Entre uma maquiada e outra, entramos na conversa do grupo por ali mesmo.

Próximas paradas da peça de teatro Casatória C’a Defunta no Circuito Sesc de Artes:
Lins, Penápolis, Araçatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ubatuba

Escrito por:

Mariana Krauss

Posts Relacionados

Comentários