O Nordeste encontra São Paulo ou São Paulo encontra o Nordeste?

Durante o espetáculo “Luiz Lua Gonzaga”, o Grupo Magiluth provoca a imaginação do público presente na praça para visualizar o sertão do nosso Brasilzão representados em pequenos metros quadrados.

A sanfona chora enquanto os artistas espalham a areia que representa o chão de terra que implora por água durante o ano inteiro. E chove, me permita contar o final, a água molha a areia fina da praça que representa o nordeste brasileiro.

O público sorri a apresentação inteira, o grupo faz graça e baião, mas o que me chamou mais atenção é a forma como os artistas do Magiluth encontram os olhares nordestinos em meio ao grupo grande que ocupa a praça. Não é proposital, eles mesmos me disseram, mas tem elementos na apresentação que marcam o olhar de quem veio de lá. ‘Padinho Ciço’, quando foi citado no espetáculo, já revelou a devoção de quem crê na figura santa que ele representa.

O que dizer de Luiz Lua Gonzaga no Circuito Sesc de Artes?

É a sensação de enxergar e tocar com os dedos da mão o solo quente do nordeste recheado de baião, Luiz Gonzaga e o gostoso sotaque nordestino.

Escrito por:

Tamara Demuner

Posts Relacionados

Comentários