As Flores de Lótus de Cotia

Para o budismo a Flor de Lótus é a base de tudo. Representa pureza, transformação, iluminação. A flor, que nasce do lodo e mesmo assim preserva beleza e fragrância únicas, pode simbolizar os templos budistas de Cotia, – cidade do distrito de Caucaia do Alto, que receberá a programação do Circuito Sesc de Artes 2015. Zu Lai e Odsal Ling foram implantados em um tempo em que a região era considerada Zona Rural, aos poucos o desenvolvimento da cidade trouxe edificações, comércio, asfalto, mas os lugares continuam sendo refúgios espirituais.

Quem entra nos espaços tem contato com arquiteturas únicas e um ambiente de paz, mas existem algumas diferenças entre eles, pois cada um segue uma linhagem do budismo. Zu Lai tem a linhagem do budismo Mahayana, com características da cultura chinesa. A arquitetura contém cores neutras, tambores, estátuas de dragões, muitos Budas e salas para meditação. Já Odsal Ling está voltado para a cultura tibetana. As cores são vibrantes, com diversos símbolos, e a meditação é feita na Casa de Lamparinas, com lamparinas que são utilizadas para oferendas.

A Monja Miao You contou que, durante a implantação do templo Zu Lai na cidade, acharam o lugar diferente, e questionaram a Mestra Reverenda Jue Cheng. “Quando chegamos aqui o pessoal falou ‘Mestra, tem certeza que você vai usar esse lugar? Porque é tão longe da cidade, ninguém está querendo vir. ’. Na época só tinha a Raposo Tavares, não tinha outro acesso. Mas mesmo assim a fé e a energia trazem pessoas, não importa a distância. Tinham discípulos ou visitantes que falavam ‘Que pena, esse lugar tão lindo, se fosse na cidade seria melhor’. Falei que não, se fosse na cidade não teria esse ambiente. Mas por causa dessa distância que você faz um sacrifício do seu horário, do seu tempo e chega em um lugar que é recompensado.”

Além de visitantes adeptos ao budismo os templos recebem pessoas que querem conhecer sua arquitetura e procuram fugir do stress diário. “As pessoas que vem para cá também são muito diferentes. Esse é considerado um lugar onde se pratica o Budismo pelos discípulos e também é visto como um ponto turístico interessante na cidade.”, conta Miao You.

O representante de comunicação do Templo Odsal Ling, Marcelo Guerreiro, falou sobre o público que costumam receber: “As pessoas vêm até o Templo para ver sua bela arquitetura e também para ter um contato com a filosofia budista, que tem uma abordagem muito prática e ligada ao dia a dia das pessoas”.

Para Miao You as pessoas saem do templo diferente de como entraram: “A gente quer que a pessoas que visitam esse lugar saiam com uma energia diferente. Que tenha uma interação entre as pessoas. Temos palestras e cerimônias. Tem pessoas que querem agendar visita, ou apenas uma conversa, se tiver um problema espiritual ou mental e quiser se aliviar, desabafar”.

E nestes espaços muitas pessoas encontram coisas simples, como a meditação que apesar de ser uma prática aparentemente simples, pode ser importante para pessoas que vivem em uma rotina cada vez mais turbulenta. “Um Templo remete à espiritualidade, o que inspira nas pessoas um outro olhar sobre a vida. Um templo, seja ele de qual tradição for, nos remete a uma outra dimensão da nossa existência, uma dimensão mais ampla que nos possibilita olhar além das aparências e encontrar algo de positivo em nós mesmos e nos outros.”, conclui Marcelo.

 

 

Texto: Juci Fernandes
Ilustração: Daniela Franbez

_
Gostou dessa história? É essa a versão que você conhece? Você pode contribuir com suas memórias e complementar nos comentários abaixo com a sua versão dos fatos.

Se você tiver alguma dúvida sobre a programação do Circuito Sesc de Artes, por favor, entre em contato através do Fale Conosco do site, clicando aqui. [http://bit.ly/Circuito-FaleConosco]

Posts Relacionados

Comentários