Todos nós temos nossos desejos, sonhos. Nem sempre temos a força suficiente para ir atrás deles, porém sonhar é inerente aos seres humanos. Chegando a acolhedora Bariri, no canto de uma avenida movimentada da cidade, até o mais distraído, desavisado, pode enxergar a quimera se materializando naquela esquina.

A imaginação e talento do tímido José Mota – mais conhecido como Alf – transforma materiais recicláveis como vidro, pallets, ferro, pneu e troncos de árvores caídas em arte. Como ele mesmo diz: “As pessoas olham tudo isso e enxergam como lixo, eu vejo uma oportunidade.” Seu objetivo é construir um parque em Bariri, mas não qualquer parque, um somente com madeira e os materiais que ele utiliza em suas obras.

Me permitam voltar um pouco ao começo do texto, onde digo que nem sempre temos forças para atingir nossas metas. Porque é neste momento que a Andrea Cristina entra nessa história. Mulher forte, comunicativa e principal incentivadora do talento de seu marido. Ajuda a lixar as peças, dá ideias, não deixa esmorecer nem nos momentos mais difíceis. Além de ser a responsável pela divulgação dos trabalhos. “Ele tem o dom e eu divulgo!”. E como deveria ser, também tem seu sonho. Como adora cozinhar, deseja um dia ter seu restaurante: rústico, todo planejado e decorado com obras da dupla.

E alguém tem duvida que um dia Bariri terá um parque temático (todo reciclável) e um restaurante rústico? Sonho que se sonha junto é mais forte. Que todos tivessem a preocupação com o meio ambiente e alegria desse casal baririense.

 

Foto e texto: Danilo Lima


Gostou dessa história? É essa a versão que você conhece? Você pode contribuir com suas memórias e complementar nos comentários abaixo com a sua versão dos fatos.

Se você tiver alguma dúvida sobre a programação do Circuito Sesc de Artes, por favor, entre em contato através do Fale Conosco do site, clicando aqui.

Posts Relacionados

Comentários